Como surgiu

A Escola de Educação Infantil Lúdica começou a ser pensada há muitos anos. Como a história de muitas meninas, também queria ser professora.Minha mãe foi professora e desde antes de eu ser matriculada em uma escola já frequentava aulas com ela. Era um universo encantador, poder ter acesso a um mundo de informações, aprender, conhecer pessoas, ver minha mãe ensinando. Isso tudo era fascinante.

Terminei o ensino fundamental e ainda seguia com a ideia de ser professora. Cursei o segundo grau – habilitação magistério, no Colégio Israelita Brasileiro. Fiz o estágio com uma turminha de 2ª série. Durante o estágio, etapa em que tive muito prazer chamou-me a atenção a dificuldade que dois de meus alunos tinham em se expressar.

Anos mais tarde fui compreender que eles tinham um transtorno grave de linguagem, sendo que um deles praticamente não conseguia falar. Este episódio fez com que minha vida tomasse um rumo diferente daquele que já havia traçado. Interessei-me tanto por entender o mecanismo de linguagem das crianças que ingressei no curso de Fonoaudiologia. Formei-me Fonoaudióloga em 1994. Desde então presto atendimento clínico a crianças com Problemas de Linguagem, buscando dar-lhes ferramentas para melhor se entenderem e serem entendidas.

Ao longo de minha trajetória profissional pude trocar experiências com profissionais de diversas áreas do conhecimento. Trabalhei com equipes interdisciplinares que me possibilitaram ampliar horizontes no que diz respeito ao trabalho com crianças e a entender como pensam, se comportam e resolvem seus problemas. A importância da parceria entre família, escola, criança e o profissional que a assiste. A importância de se respeitar a criança como criança e não como uma miniatura de adulto ou alguém que se possa manipular, mas sim um sujeito, dono de seus desejos e com suas necessidades específicas.

Ao longo dos anos e de minha experiência profissional com crianças, acredito que um bom profissional, seja a área de atuação que for, deve sempre ter em mente que a criança é um ser único, que necessita de suporte e não de receitas prontas, para superar suas dificuldades. Como fonoaudióloga, busquei estar ao lado da criança e de sua família para que eles, juntos.

Apesar de ter me tornado fonoaudióloga, nunca me esqueci do sonho de ter minha própria escola e acabei sempre perto deste meio, prestando assessoria fonoaudiológica às escolas em que meus pacientes frequentavam. Ou seja, o universo escolar nunca me deixou e eu nunca o deixei. Nestes quinze anos de Fonoaudiologia, circulei pelas escolas, conversei com inúmeros profissionais da área da Educação Infantil, participei de cursos, grupos de estudos sobre desenvolvimento infantil, rotina na escola, ludicidade, avaliação escolar, Piaget, Vigotsky, Paulo Freire, Construtivismo etc.

Penso que para se ousar trabalhar com crianças, deve-se entender o desenvolvimento infantil através de cinco grandes eixos que se perpassam e se complementam, a saber;

  • constituição do sujeito (viés psicanalítico);
  • construção do conhecimento (como a criança pensa);
  • ludicidade (como constrói seu jogo, brincadeiras);
  • a linguagem (construção da linguagem interna, compreensão, expressão);
  • a relação com o outro e com o meio (contribuições de Vigotsky).

Para que nossos sonhos se tornem realidade, além de batalhar por eles, devemos ter pessoas que também acreditem. Eu tive a sorte de contar, desde o início, com meus pais, Expedito e Roseli e minha amiga Gislaine. Ao longo do caminho, outras pessoas, também muito especiais foram se somando a nós.

Após anos gestando a ideia com o apoio incondicional de meus pais e com o nascimento de minha filha Isabela, que me fez sentir-me mais forte e corajosa, decidi colocar em prática tudo que estava apenas em minha mente. Então, resolvi contatar uma profissional respeitada e atuante na área da educação infantil e minha amiga de longa data, Gislaine Zamberlan. Minhas ideias encontraram eco junto a Gislaine. Era o empurrão que faltava para o sonho se tornar uma feliz realidade.

Ao pensar a Lúdica, pensei uma escola onde a Comunicação é prioridade. Pode parecer um tanto óbvio para alguns, mas infelizmente não é. Em consultório, ouvi inúmeros relatos de pais e das próprias crianças sobre a dificuldade em se fazer ouvir no ambiente escolar, quantas professoras não entendem o que seus alunos dizem e outras tantas que precisam gritar para se fazer entender. Desenvolvemo-nos e construímos nossa própria imagem, através da relação com o outro, somos influenciados e influenciamos através do que comunicamos e também do que deixamos de comunicar. A linguagem é nossa via de acesso ao outro. Aí a importância de se preconizar a clareza da Comunicação, desde sempre. Em todas as etapas da Educação Infantil – Berçário, Maternal, Jardim, oportunizar às crianças ferramentas que as possibilitem se expressar, respeitando sua faixa etária. Expressar suas idéias de maneira criativa, clara, expressando seus sentimentos sem receio.

Acredito que trabalhando desta forma, contribuímos para a formação de sujeitos afetivos, seguros de si, de suas possibilidades e habilidades. Sujeitos que ousem, critiquem, contestem, sempre respeitando a sua individualidade e individualidade do outro, de maneira afetiva e Lúdica.

São estas as idéias que alicerçam a Lúdica e que irão contribuir para a formação de seus filhos.
Assim nasceu a Lúdica, uma escola baseada no afeto, respeito e valorização da Comunicação.

 

Luciane Azevedo
Diretora